...

B. O. ANIMAL

Página de Registros, o Blog B.O.Animal ajuda a denunciar e arquivar casos testemunhados por Protetores e Simpatizantes da Causa Animal para não se deixar esquecer dos agressores (nem sempre punidos) e cúmplices de maus tratos e ocultação da verdade. Além de oferecer matérias importantes e interessantes sobre a vida animal, saúde, idade, alimentação, receitas caseiras, tirando dúvidas entre leitores sobre tratamentos e socorros!

Demos o primeiro passo, buscamos apoio e lutamos por Justiça às Vítimas, fatos que foram testemunhados e registrados por Protetores e Simpatizantes da Causa Animal são divulgados e arquivados, não conheceríamos os três maiores criminosos de outra forma: CAMILA CORREIA, DALVA LIMA DA SILVA e CLÁUDIO CÉSAR MESSIAS.

sábado, 28 de julho de 2012

Cão jogado de prédio em SP não poderá andar


Do G1 Santos


Mulher acusa vizinha de jogar cadela da janela de prédio em Mongaguá, SP

Testemunhas viram a vizinha jogar a cadela que estava em um saco de lixo.
Jully quebrou a coluna e não voltará a andar sem uma cadeira de rodas.


Jully de 2 anos, antes de ser jogada de um prédio em
Mongaguá. (Foto: Ellen Silva/Arquivo Pessoal)
Uma cadela foi jogada pela janela de um apartamento em Mongaguá, no litoral de São Paulo. A dona do animal e testemunhas acusam uma vizinha de ter atirado o cão do quarto andar no final da tarde desta sexta-feira (28).
De acordo Ellen Silva, uma das donas de pinscher Jully, de apenas 2 anos, sua vizinha estava brava porque, há alguns dias, algum cachorro ou gato estava urinando e revirando o lixo nos corredores. A vizinha suspeitava que fosse Jully e disse que iria colocar veneno no animal que estivesse causando aquele problema.
Ainda segundo Ellen, na tarde desta sexta-feira, a pequena Jully desapareceu assim que seu namorado entrou pela porta da frente do apartamento. Depois que notaram a ausência da cadela, ela e o namorado passaram a chamar por Jully. Quando estava procurando a cadela na parte de baixo do prédio, uma outra vizinha lhe disse que tinha visto a cachorra sendo jogada pela janela.
“Ela jogou como se fosse lixo. A Jully estava se rastejando dentro do plástico”, conta Ellen, emocionada ao lembrar do momento em que encontrou a cachorra. A cadela foi socorrida a uma clínica veterinária. Já a mulher que atirou a cadela pela janela, segundo ela, saiu com o marido logo depois do acontecimento e ainda não retornou ao prédio.
A família registrou um boletim de ocorrência sobre o caso no 1º Distrito Policial de Mongaguá. As vizinhas que viram a cachorra sendo jogada prestaram depoimento. O caso ficará sob avaliação do delegado titular, que decidirá qual medida será tomada a partir de segunda-feira (30). A família também disse que irá contratar um advogado para agilizar o processo.
Já a cadela Jully permanece internada em uma clínica veterinária em São Vicente, também no litoral de São Paulo. De acordo com o médico veterinário Gustavo Palmieri, a cachorra passou por exames de sangue e raio-x. Foi constatada uma fratura em uma vértebra da coluna, e o animal não voltará a andar.
Segundo Palmieri, Jully está sendo medicada para não sentir dores. Ela ainda ficará em observação por mais dois ou três dias e, posteriormente, terá alta médica. Entretanto, os donos terão que comprar uma cadeira de rodas para cachorro para que a pequena cadela possa se locomover.
G1 tentou localizar a vizinha acusada de jogar a cadela pela janela, mas ela não foi encontrada para comentar o assunto.

3 comentários:

  1. Só sendo muito ordinária mesmo para fazer tanta maldade com um bichinho indefeso. E é tão culpada que desapareceu depois do que fez. Pq não faz com alguem do mesmo tamanho que ela? Pq não vem fazer comigo? Com certeza eu faria com que esse monstro fizesse a mesma trajetória que a pobre cachorrinha fez, só para sentir o mesmo que ela.

    ResponderExcluir
  2. Pq o povo só copia notícia incompleta do G1 hein??? Nem nome da safada ten!

    ResponderExcluir
  3. A notícia não está incompleta, o G1 que não divulgou mas o nome dela é Anne Cristine e se encontra livre e escondida.

    ResponderExcluir