...

B. O. ANIMAL

Página de Registros de Denúncias, Notícias e Informações da Causa Animal.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Laudo divulga morte de Veados em ZOO-Recife

Dois veados do zoológico de Dois Irmãos foram envenenados

Laudo mostra que os animais, mortos nos dias 18 e 27 de junho deste ano, foram intoxicados por carbamato, substância utilizada na fabricação do chumbinho

Nota divulgada ontem pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) confirma a morte por envenenamento de dois veados do zoológico do Recife (PE). Segundo o laudo, os animais foram intoxicados por carbamato. A substância é utilizada na fabricação do chumbinho. O veneno, embora tenha a comercialização proibida, costuma ser empregado no controle de ratos.

Os testes foram feitos no Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox), da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu (SP). O laudo, datado de 16 de agosto, chegou ontem ao Parque Dois Irmãos, onde funciona o zoo, vinculado à Semas. A nota da secretaria informa ainda que a direção do parque encaminhou, ainda ontem, o documento à Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (Depoma), “solicitando a continuidade das investigações sobre os fatos para identificação e punição dos culpados”.

Os veados, da fauna silvestre brasileira, morreram em junho, um no dia 18 e outro no dia 27. Antes do óbito, apresentaram sangramento pelo ânus, um dos sintomas de hemorragia interna. O zoológico conta com outros cinco veados, da espécie Mazama gouzoubira.

Há registro de mortes de animais no local desde março de 2009. Exames toxicológicos datados de 5 de março de 2009 confirmaram o envenenamento de um cervo-nobre, um antílope waterbuck e um hipopótamo. Outros, de 14 de agosto do mesmo ano, identificaram que também foram vítimas um emu, um jacaré-de-papo-amarelo, um cuxiú, um bugio-mãos-de-ouro e um cangambá.

A Depoma concluiu dois inquéritos que apuraram as mortes no zoo, em Dois Irmãos, Zona Norte do Recife. Por falta de provas, não conseguiu indiciar ninguém. Uma terceira investigação, ainda em curso, foi aberta com a morte dos veados.

A Depoma alega que é difícil identificar os autores do crime porque o zoo não dispõe de câmeras nos recintos onde se encontram os animais e a vigilância é precária. Há possibilidade, de acordo com os policias, de as mortes serem cometidas por visitantes, funcionários ou ex-funcionários do zoológico. O relatório do segundo inquérito, datado de 31 de maio de 2010, recomenda a elaboração de um plano de segurança, incluindo a instalação de câmeras e o reforço na vigilância.

No fim do mês de julho [há um mês], a Semas prometeu que, em três meses, de 10 a 15 câmeras seriam instaladas no Parque Dois Irmãos. As imagens, segundo o secretário Sérgio Xavier garantiu na época, seriam gravadas.

Além da morte de dois animais com suspeita de envenenamento, a Depoma apura denúncias de que animais estão sumindo no zoo. As diligências começaram em julho e correm paralelamente à investigação da morte dos dois veados. Os policias receberam informações de que animais dados como mortos na verdade desapareceram.

Fonte: JConline

Nota da Redação: Zoológicos são centros de confinamento e sofrimento, que reduzem a vida de animais essencialmente livres a uma existência limitada dentro de espaços artificiais, distantes de seus habitats. A partir dessa violência fundamental, decorrem outras piores, e enquanto não for banido esse tipo de tratamento que viola a natureza desses seres, que os separa dos espaços naturais a que pertencem, outros animais continuarão a sofrer todo tipo de infortúnio e dor – causados, em primeira instância, pelo confinamento e por todas as outras agressões que são permitidas em decorrência dessa condição de aprisionamento e vulnerabilidade.


Fonte: http://ne10.uol.com.br/canal/cotidiano/grande-recife/noticia/2011/08/30/dois-veados-do-zoologico-de-dois-irmaos-foram-envenenados-294041.php


Notícia Passada - 16/07/11

Polícia investiga mais mortes de animais no zoo do Recife



A Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (Depoma) está investigando a morte de mais dois animais do zoológico do Recife, que desde março de 2009 tem registrado casos de envenenamento. O primeiro cervo-catingueiro morreu no dia 18 de junho deste ano e o segundo, nove dias depois. O policial Jeylson Santana, da Depoma, diz que há suspeitas de intoxicação, mas apenas o resultado dos exames toxicológicos poderão comprová-las.
Os bichos apresentaram os mesmo sintomas antes do óbito: sangramento no reto, possivelmente provocado por hemorragia interna. A necropsia foi realizada na Universidade Federal Rural de Pernambuco, onde pesquisadores coletaram fragmentos dos órgãos internos que foram enviados para análise no Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox), da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu (SP).
Além de amostras de tecidos dos dois animais, o Ceatox está avaliando uma banana encontrada no recinto do urso. Os tratadores do zoo não fornecem esse tipo de fruta ao uso e, em 2009, um pão coletado no mesmo local estava contaminado com veneno. Ou seja, essa pode ser a segunda vez que alguém tenta envenenar o urso. Os policiais não têm ideia de quem pode estar cometendo o crime. “Estamos trabalhando com todas as possibilidades: visitantes, funcionários ou ex-funcionários do zoológico”, diz Jeylson.
A Depoma tem dois inquéritos concluídos para apurar as mortes no zoo, que fica no Parque Dois Irmãos, na Zona Norte, vinculado à Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Por falta de provas, não conseguiu indiciar ninguém. “Não tem como saber se a pessoa que está envenenando os animais é de fora ou de dentro do parque porque todo mundo tem acesso aos locais onde os bichos estão”, constata a titular da Depoma, Verônica Azevedo.
A solução apontada pela delegacia para elucidar os crimes é a instalação de câmeras nos recintos dos animais. O relatório do segundo inquérito, datado de 31 de maio de 2010, recomenda ainda a elaboração de um plano de segurança, incluindo a instalação de câmeras e o reforço na vigilância.
A coordenadora técnica do zoológico, Luciana Rameh, diz que a mortandade de animais faz parte da rotina do lugar. Ela informa que o zoo conta com outros cinco veados-catingueiros.

Ritual cruel de engorda de porcos poderá ser banido em Taiwan

A engorda de porcos, prática cruel que já dura décadas e faz parte de uma cerimônia religiosa e tradicional de Taiwan, poderá ser banida, de acordo com grupos de proteção animal do país, conforme informou o jornal Focus Taiwan.

Segundo a Sociedade de Meio Ambiente e Animais de Taiwan (EAST), o concurso “Deus Porco” – que normalmente acontece durante o festival anual Hakka Yimin – não deverá mesmo ocorrer este ano.

Ao competidor que traz o maior porco é atribuído um prêmio. Para consegui-lo, esforços são feitos para que os porcos sejam forçados a comer e fiquem com três vezes mais peso que o normal. “Assim como humanos, obesidade causa sofrimento aos porcos e sérios problemas de saúde”, disse Chu Tseng-hung, da EAST.

Alguns porcos continuam sendo alimentados momentos antes da pesagem. Outra prática cruel é o ritual de matança. A garganta dos porcos é cortada com uma faca como um sacrifico às divindades.

Chu Tseng-hung pediu às agências governamentais relacionadas ao assunto que tenham participação mais efetiva na proibição do que ele descreveu como um ritual desumano e ilegal. “O Conselho de Agricultura deveria encorajar a lei de proteção animal”, disse.

Mencionando as investigações feitas pela EAST, Tseng-hung afirmou que o “Deus Porco” não é um ritual religioso indispensável na cultura Hakka. O representante da EAST sugeriu que a população use outros meios para celebrar o “Deus Porco”, como flores e materiais sustentáveis.

Outros grupos, a maioria da herança Hakka, também pediram o fim da tortura animal em atividades religiosas.

FONTE: http://www.anda.jor.br/2011/08/30/ritual-cruel-de-engorda-de-porcos-podera-ser-banido-no-taiwan/

Cavalo morre após ser espancado por carroceiro



No último dia 12 de agosto, a Chicote Nunca Mais foi procurada por moradores de Gravataí para socorrer um cavalo que havia caído na carroça e foi violentamente espancado pelo carroceiro na estrada Dioníso de Lima. Populares revoltados deram uma surra no agressor, que seria usuário de drogas. O cavalo estava no chão, atirado no barro, com muitos ferimentos na cabeça. Tinha o maxilar fraturado e ferimentos no olho, era muito magro e com visíveis sinais de maus-tratos anteriores. O carroceiro praticou toda a violência na frente dos filhos pequenos.



"Foi muito difícil conseguirmos um transporte, e só deu para levá-lo depois de quase duas horas. Quando chegou no Hospital Veterinário da Ufrgs, já estava em óbito. Temos o nome do agressor, laudo veterinário e TC da ocorrência. Vamos ao MP e queremos que seja exemplarmente punido. Enquanto a lei não for cumprida pelas autoridades o coisa não vai mudar - a Lei dos Crimes Ambientais é muito clara, ferimentos na cabeça do animal dobram a pena. Quando o óbito decorre da agressão, há acréscimo. A droga é uma escolha do usuário - o animal não pode escolher o dono. Esse desgraçado vai para a cadeia por empenho pessoal da Chicote", revolta-se Fair Soares, presidente da ONG Chicote Nunca Mais.

Monitor quebrado vira casinha de gato

casa-08.png

Se você tem um monitor quebrado e não sabe o que fazer com ele, essa casinha para gatos pode ser uma boa opção. Neste passo a passo você poderá aprender como dar uma nova serventia para monitores de computador ou mesmo televisões quebradas de forma útil, criativa e sustentável.

O processo é simples, mas é preciso ter alguns cuidados, especialmente na hora de desmontar o equipamento. Se você não souber ou tiver alguma dificuldade nessa etapa, prefira levar o monitor para um profissional capaz de desmontar suas peças sem danificá-las (já que elas poderão ser reaproveitadas e recicladas) e sem correr nenhum risco de se machucar.

Passo 1: Encontre um monitor

Podem ser utilizados monitores de computador ou televisores de qualquer tamanho. Tenha cuidado apenas com aqueles muito pequenos e verifique se o tamanho é adequado ao seu bichinho.

Fique atento (a) também para utilizar apenas aqueles aparelhos que não poderão mais ser consertados e reutilizados. Se ainda houver uma chance dele funcionar, deixe para fazer a casinha quando o monitor quebrar de vez.

Passo 2: Desmonte o monitor

casa-02.png

Muito cuidado nessa hora! Esses equipamentos podem armazenar uma carga elétrica por muito tempo em seus capacitores. Por isso tome todos os cuidados, como utilizar uma luva de segurança e ferramentas apropriadas.

Esse processo pode ser feito em casa, mas se você não tiver muita facilidade ou não se sentir seguro para desmontar a peça, não exite em levá-la a alguém que possa fazer isso com segurança.

Comece retirando os parafusos e porcas que prendem as peças e desencaixe cuidadosamente cada pedacinho. Remova o suporte, o fundo e todas as peças eletrônicas que puder.

Passo 3: Retire a tela

casa-03.png

Esse é o momento mais crítico do processo e quem não tiver muita experiência deve pedir ajuda a alguém que saiba mexer com circuitos elétricos.

Primeiro garanta o bloqueio da passagem elétrica para só depois separar a tela do circuito. E não esqueça de usar as luvas de segurança contra choques.


Passo 4: Recicle

Tudo que foi extraído do monitor deverá ser encaminhado para reciclagem ou para o descarte de lixo eletrônico. Jogar todo esse monte eletrônico no lixo comum é garantia de que tudo acabará em um lixão qualquer, poluindo o solo, o ar e os lençóis freáticos.

Por isso, procure um local adequado e entregue todas essas peças. Serviços como o Descarte Certo e o E-lixo maps podem ajudar nessa hora.

Passo 5: Remonte

Agora que você já tirou todos os componentes eletrônicos de dentro do monitor, é hora de remontá-lo. Pegue de volta todos aqueles parafusos e monte novamente a base e a parte de trás do monitor, que agora ficará completamente oco.

Nesse ponto a nova casinha já é suficiente para deixar qualquer bichano feliz. Basta limpar e colocar uma almofada na parte de dentro. Mas se você quiser deixar a “obra” perfeita, siga para o próximo passo.


Passo 6: Faça um travesseiro

casa-06.png

Essa etapa já é para quem quer deixar o bichano totalmente confortável. Como possui o formato do monitor, a parte interna não comporta um travesseiro comum, retangular, ao menos que ele fique todo amassado lá dentro.

Por isso, os mais caprichosos podem tentar fazer um travesseiro com as medidas exatas da nova casinha. Basta colocar uma folha de papelão debaixo do monitor e decalcar o formato. Depois é só recortar o pano e o enxerto do mesmo tamanho e costurar.

Passo 7: Decore

casa-07.png

Essa é a parte mais divertida de todo o processo. É hora de asas à criatividade e se munir de tintas, pincéis, sprays, fitas coloridas e o que mais quiser.

Não esqueça de limpar bem a parte interna antes de começar a arte. Depois, é só criar um tema para a nova casinha e começar a decoração.


Passo 8: Traga o gatinho para sua nova casa

casa-capa.png

Agora que a tinta secou e está tudo pronto é hora de entregar a “obra” ao seu novo morador.

Mais um gato feliz, um dono orgulhoso e um monitor a menos poluindo o planeta.


O conteúdo do EcoDesenvolvimento.org está sob Licença Creative Commons. Para o uso dessas informações é preciso citar a fonte e o link ativo do Portal EcoD.http://www.ecodesenvolvimento.org.br/noticias/monitor-quebrado-vira-uma-casinha-para-gatos#ixzz1WWHZWqg1
Condições de uso do conteúdo
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives