...

B. O. ANIMAL

Página de Registros de Denúncias, Notícias e Informações da Causa Animal.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Caso Camila: Imagens Inéditas no Domingo Espetacular















publicado em 18/12/2011 às 22h26

Domingo Espetacular

Vizinha que gravou mulher agredindo
 cachorro fala com o Domingo
 Espetacular
Imagens Inéditas: Os Bombeiros e Polícia no local, os vizinhos que filmavam tudo disseram que o cão ainda estava vivo, porém muito machucado e ao entrarem na casa da enfermeira Camila, o cão havia acabado de morrer supostamente por estrangulamento, para evitar que fosse retirado com vida do local. "Ela já teve outros cães mas não duraram muito"_ revela a vizinha!
Toda a seção de tortura ao animal, que durou vários dias, foi gravado também pela criança de apenas 2 anos de idade. Um Psicólogo convidado comenta seriamente o assunto e revela como a criança pode encarar o que hoje está guardado em seu inconsciente!

  • destacar vídeo
  • espalhe por aí
Vera é dona de um salão de beleza. Ela mora em formosa, no interior de Goiás. Tem duas filhas. Juntas, ela e a filha mais velha gravaram as imagens que chocaram o Brasil nesta semana: uma enfermeira agredindo um cãozinho da raça Yorkshire. Ela diz que decidiu gravar porque era uma coisa que já estava acontecendo. e sempre na frente da filha, de apenas dois anos.



Caso enfermeira Camila: Policial dá entrevista revoltante - "Então como não foi feito flagrante delito"


Camila recebe escolta policial - Enfermeira assassina



Enfermeira assassina Camila Corrêa usa depressão como defesa



Agora é Oficial: Mulher espanca e mata seu Yorkshire



Caso enfermeira Camila: Policial dá entrevista revoltante - "Então como não foi feito flagrante delito"


Mural Animal

Polícia livra a enfermeira que torturou cãozinho do flagrante delito


Se o vídeo com as diversas cenas dos dias em que o pequeno cãozinho yorkshire já foram suficientes para revoltar os até então as 319.768 pessoas, que assinaram a petição implorando pela pena máxima de crime de maus tratos para a enfermeira que torturou e matou o yorkshire (click para assinar a petição), como então se sentiram essas mesmas pessoas ao saberem que a mesma poderia ter sido presa em flagrante delito.
sos_animaisbr01
Das primeiras entrevistas dadas pelo Delegado que investiga o caso à mídia televisiva, é possível concluir que inúmeras denúncias de maus-tratos, haviam sido feitas contra a enfermeira ás autoridades competentes, na esperança de salvar a vida do pobre e indefeso cãozinho, mas que por algum motivo não salvou. Sendo assim peço que assistam o vídeo que eu editei com as entrevistas, e ouçam os fatos na verdadeira ordem que eles deveriam ter sidos contados, e exerçam sua cidadania para exigir que corregedores e promotores averiguem porque tais denúncias não foram devidamente apuradas.
Muitas pessoas ficaram indignadas com quem filmou, achando que esta poderia ter intervindo para que o cão não fosse espancado. Pois saibam que quem filmou chamou a polícia no dia 13 de Novembro de 2011. No vídeo abaixo o delegado diz que bombeiros e a polícia militar foram até o local, e inclusive tiveram que conter a fúria da criminosa Camilla Corrêa, e ainda vão ouvir que foram eles que retiraram o cãozinho da casa, e que levaram o animal para algum lugar não divulgado para que fosse socorrido.
Policiais, bombeiros, vizinhos, todos presenciaram a atrocidade, a brutalidade da enfermeira que culminou na divulgada morte do cão dois dias após, mas ninguém, nenhum policial, nenhuma pessoa lhe deu voz de prisão. (De acordo com a legislação brasileira, qualquer pessoa pode dar voz de prisão quando perceber que um crime está sendo praticado)
Passados um mês sem que quem denunciou visse qualquer punição a esse ato barbáro, um vídeo contendo trechos dos vários dias em que o cãozinho foi torturado foi colocado no Youtube em 14.12.2011.
sos_animaisbr03
Convoco a todas as pessoas, quer convivam ou não com animais de estimação, quer sejam carnívoras ou vegetarianas, a exigir das autoridades máximas dessa nossa república democrática do Brasil, a apurar a veracidade dos fatos, do porque nossas denúncias são ignoradas, do porque nossa legislação é falha em coibir que os animais, que conforme nossa constituição são tutelados pelo estado, não merecem o direito de viver, não merecem o direito de serem respeitados, do porquê somos obrigados a sermos torturados psicologicamente todos os dias com notícias de crimes contra a fauna e a flora que ficam na impunidade.
Talvez nossos legisladores e os delegados devessem receber a série de pesquisas efetuadas durante décadas que demonstram que a criminalidade e a brutalidade de certas pessoas é demonstrada em primeiro contra os menores seres sencientes os animais. Será que não percebem que ao legislar a favor dos direitos dos animais, estão garantindo a ordem e a paz pública, ensinando  assim os limites da civilidade aos brasileiros, pois somente com esses direitos humanos e animais assegurados teremos uma chance de sermos chamados um dia de pais do primeiro mundo.


luto_animais
POR UMA AÇÃO CIVIL PÚBLICA PARA A EFETIVA PROTEÇÃO DOS ANIMAIS
São mecanismos processuais que visam a garantia dos direitos difusos e coletivos . Destinados á proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e dos outros direitos difusos e coletivos
O cidadão, ou grupo de cidadãos que acionar o Ministério Público deve fornecer informações sobre o fato que denunciar, e argumentos que levem o Ministério Pública, a mover uma ação civil pública.
Uma associação também pode dar entrada em uma ação civil pública. Mas é necessário que tal associação esteja constituída há pelo menos um ano. OU seja. que possua estatutos registrados em cartório e cadastro de inscrição no CGC há pelo menos um ano e inclua, entre suas finalidades institucionais, a proteção ao meio ambiente. ao) patrimônio artístico, estético, histérico, turístico e paisagístico. ou qual­quer outro interesse difuso ou coletivo. E importante lembrar que. nesse caso, a associação deve ter em seu estatuto os objetivos específicos relacionados com o objeto da ação civil pública a ser proposta. Não terá, portanto. legitimidade, uma associação de defesa dos animais para propor uma ação cujo objeto seja a defesa de interesse de um bem relacionado à moralidade administrativa. Deve, portanto, existir uma corre­ação entre o objeto da ação civil pública e aqueles consigna­dos no estatuto da associação proponente.
A ação civil pública pode obrigar a outra parte a fazer, ou deixar de fazer, ou de indenizar (nos casos em que danos sejam impossíveis de serem reparados).
A lei que regulamenta a ação civil pública prevê a possibilidade de concessão de liminar para que a demora da prestação jurisdicional não atrapalhe a consecução dos resultados os pela empreitada jurídica.
justica_animais

Nota: Alguém sabe de algum pedófilo que tenha comutado a pena em serviços comunitários em alguma creche ou escola infantil… Nesse contexto é vergonhoso ao legislador brasileiro que culpados de maus-tratos a animais tenham a chance de novamente maltratar animais ao serem beneficiados por essa legislação equivocada.
O vídeo abaixo foi feito há alguns anos, vejam que há muito tempo imploramos por direitos, por justiça para humanos e para animais.

Camila recebe escolta policial - Enfermeira assassina


G1


Por causa de ameças, família da enfermeira deixa apartamento onde mora.
Segundo delegado, defesa recusou pedido de exame psicológico da criança.

Página Pessoal no Twitter:  https://twitter.com/#!/CamilaCdemoura

A enfermeira de 22 anos suspeita de espancar e matar um cachorro da raça Yorkshire, em Formosa, no Entorno do Distrito Federal, está em uma casa indicada por advogados e vai depor sob proteção policial. "Ela está abalada com as ameaças e com a repercussão do caso", disse Gilson Afonso Saad, um dos defensores da mulher.
Os advogados solicitaram as medidas de segurança por causa das inúmeras ameaças que ela e família vêm recebendo desde a divulgação do vídeo na internet. As cenas mostram quando a enfermeira espanca o cachorro quase até a morte. Segundo a polícia, o Yorkshire morreu dois dias após as agressões.
Prédio em Formosa onde mora suspeita de agredir e matar cachorro  (Foto: Rafaela Céo/G1)
Prédio em Formosa onde mora suspeita de agredir
e matar cachorro (Foto: Rafaela Céo/G1)
Segundo o delegado da 1º Delegacia de Polícia de Formosa, Carlos Firmino Dantas, o advogado o procurou na sexta-feira (16) e informou que a enfermeira estava protegida em uma casa na própria cidade. Disse também que ela estaria à disposição da polícia no momento que fosse necessário.
Ainda sem data marcada, o depoimento da jovem será em local e data não divulgados. "A nossa intenção é que ocorra rápido. Mas o depoimento depende de uma série de fatores, inclusive da própria disponibilidade da polícia", diz Saad.
Na avaliação do delegado, as medidas de segurança são necessárias para garantir a integridade física da suspeita, pois as cenas chocaram todo o País e causaram revolta popular. Na noite de sexta-feira, várias pessoas ficaram amontoadas em frente ao prédio onde fica o apartamento da família, na Vila Formosinha. O imóvel está fechado. "Encontramos indícios nas redes sociais que o grupo pretendia apedrejar o local e acionamos a Polícia Militar", explicou Carlos Firmino.
Exame psicológico
No vídeo, a mulher aparece espancando o cão na frente da filha de 2 anos. A exposição da criança ao constrangimento é delito previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Mas a polícia investigará se a criança também sofria agressões.

O delegado havia solicitado um exame psicológico da criança para a próxima segunda-feira (19). Mas ele informou que, na sexta à tarde, a defesa da suspeita se opôs ao pedido. "A defesa não concorda com o exame psicológico. O advogado disse que ele só ocorrerá dentro do próprio processo, com ordem judicial", disse.
Saad diz que não se opôs ao pedido, mas questiona a necessidade do exame. "Eu acho que essas coisas não devem ser impostas e sim conversadas. Só que no momento eu acho que não seria de bom tom", argumentou. O advogado entende que a criança é muito bem cuidada e não está em situação de risco.
Multa
Na sexta-feira, a delegacia de Formosa enviou cópia do procedimento para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para que o órgão promova a autuação ambiental. Segundo Carlos Firmino, a multa pode variar de R$ 5 a 10 mil. 

Maltratar animais é crime previsto no artigo 32 da Lei Federal nº 9.605/98, com detenção de três meses a um ano e multa. A pena é aumentada em um terço em caso de morte do animal.
Nota: 
Camila está recebendo centenas de ameaças por dia em sua página no Twitter:  https://twitter.com/#!/CamilaCdemoura. Ela sabe que para se livrar das ameaças constantes é preciso eliminar todos os seus contatos na rede, porém, usa-os para se defender e buscar justificativas como a Depressão como motivo do assassinato! Para quem está sofrendo deste mal ela está se saindo muito bem... parece até uma personalidade fria e calculista tentando apagar a imagem de mulher forte que não se rendia à ameaças recebidas por poucos internautas a 1 mês atrás, antes do vídeo cair na rede!