...

B. O. ANIMAL

Página de Registros de Denúncias, Notícias e Informações da Causa Animal.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

'Dono' mata cadela à pauladas porque estava no cio. Animal foi enterrado com a cabeça pra fora - Pelotas

 Manifesto pelo assassinato (a pauladas) da cadelinha Lassie em Pelotas dia 19/10/13!!!

Ao final da matéria você encontra imagem e vídeo (cenas fortes)
 
Diário Popular:

Cadela pode ter sido morta a pauladas pelo dono em Pelotas

Dono negou à BM a prática de maus-tratos e disse que a causa da morte foi velhice
 
Entre tantos crimes que chocam, o de maus-tratos a animais é aquele que também causa comoção. Na tarde desta quinta-feira (17) uma cadela com ferimentos foi encontrada enterrada com a cabeça para fora, na frente da casa do suposto agressor, no bairro Areal, em Pelotas. O homem afirma ter sido dono do animal que morreu de velhice e por isso foi enterrado.
Receosos, os vizinhos preferem não abordar o assunto, porém se mostraram indignados pelo fato de o suposto autor ficar impune. Relatos de alguns moradores apontaram que o homem havia matado com pauladas o animal. Entre os comentários que surgiram no local, alguns davam conta que a cadela estaria prenha e outros que estaria no cio e sangrava muito. A Brigada Militar (BM) foi acionada, compareceu ao local e foi feito um boletim de ocorrência.
O subcomandante do 4º Batalhão de Polícia Militar (4º BPM), major Enilton Gley Albuquerque, afirma que se não houve flagrante do crime, serão necessárias testemunhas, fotos ou vídeos que comprovem o ato. Diante disso, pode haver a investigação e a prisão do suposto autor. No entanto, quem afirma saber do culpado, não fez o registro.
 
Repercussão
Fabiane Costa, protetora dos animais e integrante da ONG SPA Pelotas, foi ao local assim que soube do fato. Ela explica que a polícia estava lá e que conversou com o dono da cadela. Após a conversa em que o homem falou ter enterrado a cadela, a polícia orientou que o homem a enterrasse novamente, tapando todo o corpo.
 
O acusado
No boletim de ocorrência da BM, o suposto agressor afirmou ser o dono da cadela e que ele enterrou o animal, após ter morrido de velhice, há alguns dias. Ainda segundo ele, o animal estava com a cabeça para fora, pois outros cães da vizinhança desenterraram por sentir o cheiro de carniça.
No entanto, diante da imprensa, o homem negou os fatos. A situação foi explanada e ele que, convicto afirmou não saber de nada, nem mesmo que havia algum animal enterrado ou sobre denúncia de maus-tratos na rua em que mora.
 
E agora?
O major Albuquerque adiantou que, sem testemunhas, a Polícia Civil não poderá investigar. "Precisamos de testemunhas ou de fotos que comprovem que foi ele quem matou a pauladas o animal", expõe Albuquerque. O major ainda orienta que denúncias anônimas podem ser feitas pelo telefone (53) 3227-7171.
Outros casos de maus-tratos já foram registrados no município, entre eles, em outubro de 2011, quando um homem matou dois cachorros com lanças de madeira e pontas de metal, no bairro Fragata. O acusado foi condenado em março de 2012 a prestação de serviços à comunidade e multa.
 
Lei Federal 9.605/98 - dos Crimes Ambientais
Artigo 32º - Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:
Pena: detenção, de três meses a um ano, e multa.
§ 1º Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.
§ 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.
 

 
A imagem é forte, daí o interesse em mostrar a realidade e conscientizar pessoas que desconhecem o tamanho da gravidade a cada atrocidade cometida contra animais completamente indefesos.
 
 
 

Beagles são resgatados do Instituto Royal em São Roque/SP

Após denúncia de maus-tratos, ativistas levam animais de empresa

 
Protesto contra o Instituto Royal
https://www.facebook.com/events/584412414953410/?previousaction=join&source=1
 
 
Os Beagles resgatados são chipados e após Mandato Ativistas lutam contra devolução!
 

Manifestantes invadiram laboratório de São Roque.
Empresa diz que realiza testes dentro de normas e exigências da Anvisa.

Dezenas de ativistas invadiram, na madrugada desta sexta-feira (18), o laboratório do Instituto Royal, em São Roque, a 59 km de São Paulo, e levaram vários animais que estavam no complexo, segundo informações da Guarda Municipal da cidade e da Polícia Militar (PM). O ato foi motivado por suspeitas de maus-tratos aos bichos no local.
 

 

http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2013/10/ativistas-invadem-e-levam-caes-de-laboratorio-suspeito-de-maus-tratos.html?fb_action_ids=660518290648417&fb_action_types=og.recommends&fb_source=aggregation&fb_aggregation_id=288381481237582

Os manifestantes acusam o laboratório de maltratar animais como cães da raça beagle, ratos e coelhos usados em testes laboratoriais de produtos cosméticos e farmacêuticos. Os ativistas afirmaram nas redes sociais que a empresa pretendia sacrificar os animais.
De acordo com o delegado Marcelo Sampaio Pontes, foram lavrados na manhã de hoje dois boletins de ocorrência: um por maus tratos, em que foi alegado que eram ouvidos latidos de choro e sofrimento quatro vezes por dia, e outro por furto. Segundo Pontes, a polícia faz uma perícia no local ainda pela manhã. Ele disse que a única coisa comprovada até o momento é que os cachorros foram furtados.
Ao Bom Dia São Paulo, o instituto Royal afirmou que realiza todos os testes com animais dentro das normas e exigências da Anvisa e que a retirada dos animais do prédio prejudica o trabalho que vinha sendo realizado. Segundo o laboratório, que classificou a invasão como ato de terrorismo, a ação dos ativistas vai contra o incentivo a pesquisas no país.
Manifestantes disseram que o laboratório tinha mais de 200 animais no local.
A Guarda Municipal da cidade informou que o protesto reuniu 120 pessoas, e que a maior parte invadiu o complexo após quebrar um portão por volta de 2h. A corporação confirmou que muitos ativistas levaram em seus carros animais do laboratório.
 
Cães retirados de laboratório em São Roque (Foto: Reprodução/TV Tem)
Cães dentro do laboratório de São Roque que foi
invadido na madrugada (Foto: Reprodução/TV Tem)
 
A PM de Sorocaba, que atende a região, informou que 50 pessoas entraram no imóvel, deprederam áreas do complexo e levaram vários animais em carros particulares.
Até por volta das 4h, não havia registro de confronto entre policiais e manifestantes. A PM, no entanto, pretendia levar para a delegacia local representantes do movimento, que poderiam, segundo a polícia, serem enquadrados por invasão, depredação e roubo de animais. Mas até esse horário ninguém havia sido detido.

O protesto começou por volta das 20h, e ganhou maior adesão no fim da noite. Os ativistas passaram boa parte da madrugada no local.
Segundo relatos de manifestantes, foi possível ouvir latidos supostamente de dor de cães.
No fim da noite de quinta-feira (17), a Polícia Civil de São Roque informou que registrou um boletim de ocorrência sobre a denúncia de maus-tratos.

Cães retirados de laboratório em São Roque (Foto: Reprodução/TV Tem)
 
Segundo manifestantes, havia mais de 200 animais no local (Foto: Reprodução/TV Tem)
 
Os manifestantes cercaram o complexo e tentaram vistoriar veículos do laboratório. Houve um princípio de confusão porque um dos motoristas da empresa se negou a abrir o carro.
A Guarda Municipal enviou quatro equipes ao local, duas para cada portão da empresa. A PM informou que deslocou 6 equipes por volta das 3h30.
O protesto acontece desde sábado (12), mas ganhou adesões nesta quinta por causa de boatos de que a empresa estava preparando a retirada e o sacrifício dos animais, depois que três vans e um caminhão de pequeno porte entraram no laboratório durante a tarde.
Uma reunião estava marcada para o fim da tarde desta quinta-feira, com a presença de ativistas dos direitos dos animais, funcionários da prefeitura e representantes do laboratório. O encontro foi cancelado porque a empresa informou que, por segurança, não mandaria um representante.
Nota de esclarecimento
A empresa Royal Canin, multinacional de origem francesa que fabrica alimentos para animais domésticos, divulgou uma nota na manhã desta sexta-feira (18) informando que, apesar da similaridade entre os nomes das duas empresas, não possui qualquer relação com o Instituto Royal.
Veja a nota na íntegra:
A Royal Canin do Brasil esclarece que NÃO TEM NENHUM VÍNCULO com o Instituto Royal que vem sendo apontado como realizador de pesquisas invasivas em animais (cães beagles). Acreditamos que a associação feita por algumas pessoas deva-se ao fato da similaridade de nomes.

Não realizamos e nem apoiamos testes que possam trazer sofrimentos aos animais.

A Royal Canin do Brasil, ainda em 2012, quando este assunto veio à tona, tomou todas as medidas legais cabíveis, junto a Promotoria de Justiça do GECAP - Grupo de Atuação Especial de Combate aos Crimes Ambientais e de Parcelamento Irregular do Solo da Comarca de São Paulo - SP, para assegurar e comprovar a inexistência de qualquer relação entre a empresa e o referido Instituto.

A Royal Canin, empresa fundada em 1968, na França, e instalada no Brasil desde 1990, fica à disposição através dos canais de atendimento:

SAC: 0800 703 55 88 (de segunda à sexta-feira, das 08:00h às 17:00h)
SAC Site: http://cadastro.royalcanin.com.br
 

 
Imagens do resgate:


 
 
 
Testes encotrados


Cão estado, morto e congelado
 

 
 Ativistas
 
 


 
Beagles resgatados